FESTA DE ACOLHIMENTO DOS JOVENS
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
Praça de Cibeles, Madrid
Quinta-feira, 18 de Agosto de 2011

Queridos jovens amigos!

Agradeço as carinhosas palavras que me dirigiram os jovens representantes dos cinco continentes. Com afecto, saúdo a todos vós que estais aqui congregados - jovens da Oceania, África, América, Ásia e Europa – e também a quantos não puderam vir. Sempre vos tenho muito presente e rezo por vós. Deus concedeu-me a graça de vos poder ver e vos ouvir mais de perto, e de nos colocarmos juntos à escuta da sua Palavra.

Na leitura que há pouco foi proclamada, ouvimos uma passagem do Evangelho onde se fala de acolher as palavras de Jesus e de as pôr em prática. Há palavras que servem apenas para entreter, e passam como o vento; outras instruem, sob alguns aspectos, a mente; as palavras de Jesus, ao invés, têm de chegar ao coração, radicar-se nele e modelar a vida inteira. Sem isso, ficam estéreis e tornam-se efémeras; não nos aproximam d’Ele. E, deste modo, Cristo continua distante, como uma voz entre muitas outras que nos rodeiam e às quais estamos habituados. Além disso, o Mestre que fala não ensina algo que aprendeu de outros, mas o que Ele mesmo é, o único que conhece verdadeiramente o caminho do homem para Deus, pois foi Ele que o abriu para nós, que o criou para podermos alcançar a vida autêntica, a vida que sempre vale a pena viver em todas as circunstâncias e que nem mesmo a morte pode destruir. O Evangelho continua explicando estas coisas com a sugestiva imagem de quem constrói sobre a rocha firme, resistente às investidas das adversidades, contrariamente a quem edifica sobre a areia, talvez numa paisagem paradisíaca, poderíamos dizer hoje, mas que se desmorona à primeira rajada de ventos e fica em ruínas.

Queridos jovens, escutai verdadeiramente as palavras do Senhor, para que sejam em vós «espírito e vida» (Jo 6, 63), raízes que alimentam o vosso ser, linhas de conduta que nos assemelham à pessoa de Cristo, sendo pobres de espírito, famintos de justiça, misericordiosos, puros de coração, amantes da paz. Escutai-as frequentemente cada dia, como se faz com o único Amigo que não engana e com o qual queremos partilhar o caminho da vida. Bem sabeis que, quando não se caminha ao lado de Cristo, que nos guia, extraviamo-nos por outra sendas como a dos nossos próprios impulsos cegos e egoístas, a de propostas lisonjeiras mas interesseiras, enganadoras e volúveis, que atrás de si deixam o vazio e a frustração.

Aproveitai estes dias para conhecer melhor a Cristo e inteirar-vos de que, enraizados n’Ele, o vosso entusiasmo e alegria, os vossos anseios de crescer, de chegar ao mais alto, ou seja, a Deus, têm futuro sempre assegurado, porque a vida em plenitude já habita dentro do vosso ser. Fazei-a crescer com a graça divina, generosamente e sem mediocridade, propondo-vos seriamente a meta da santidade. E, perante as nossas fraquezas, que às vezes nos oprimem contamos também com a misericórdia do Senhor, sempre disposto a dar-nos de novo a mão e que nos oferece o perdão no sacramento da Penitência.

Edificando-a sobre a rocha firme, a vossa vida será não só segura e estável, mas contribuirá também para projetar a luz de Cristo sobre os vossos coetâneos e sobre toda a humanidade, mostrando uma alternativa válida a tantos que viram a sua vida desmoronar-se, porque os alicerces da sua existência eram inconsistentes: a tantos que se contentam com seguir as correntes da moda, se refugiam no interesse imediato, esquecendo a justiça verdadeira, ou se refugiam em opiniões pessoais em vez de procurar a verdade sem adjetivos.

Sim, há muitos que, julgando-se deuses, pensam que não têm necessidade de outras raízes nem de outros alicerces para além de si mesmo. Desejariam decidir, por si sós, o que é verdade ou não, o que é bom ou mau, justo ou injusto; decidir quem é digno de viver ou pode ser sacrificado nas aras de outras preferências; em cada momento dar um passo à sorte, sem rumo fixo, deixando-se levar pelo impulso de cada instante. Estas tentações estão sempre à espreita. É importante não sucumbir a elas, porque na realidade conduzem a algo tão fútil como uma existência sem horizontes, uma liberdade sem Deus. Pelo contrário, sabemos bem que fomos criados livres, à imagem de Deus, precisamente para ser protagonistas da busca da verdade e do bem, responsáveis pelas nossas ações e não meros executores cegos, colaboradores criativos com a tarefa de cultivar e embelezar a obra da criação. Deus quer um interlocutor responsável, alguém que possa dialogar com Ele e amá-Lo. Por Cristo, podemos verdadeiramente consegui-lo e, radicados n’Ele, damos asas à nossa liberdade. Porventura não é este o grande motivo da nossa alegria? Não é este um terreno firme para construir a civilização do amor e da vida, capaz de humanizar todo homem?

Queridos amigos, sede prudentes e sábios, edificai as vossas vidas sobre o alicerce firme que é Cristo. Esta sabedoria e prudência guiará os vossos passos, nada vos fará tremer e, em vosso coração, reinará a paz. Então sereis bem-aventurados, ditosos, e a vossa alegria contagiará os outros. Perguntar-se-ão qual seja o segredo da vossa vida e descobrirão que a rocha que sustenta todo o edifício e sobre a qual assenta toda a vossa existência é a própria pessoa de Cristo, vosso amigo, irmão e Senhor, o Filho de Deus feito homem, que dá consistência a todo o universo. Ele morreu por nós e ressuscitou para que tivéssemos vida, e agora, junto do trono do Pai, continua vivo e próximo a todos os homens, velando continuamente com amor por cada um de nós.

Confio os frutos desta Jornada Mundial da Juventude à Santíssima Virgem, que soube dizer «sim» à vontade de Deus e nos ensina, como ninguém, a fidelidade ao seu divino Filho, que acompanhou até à sua morte na cruz. Meditaremos tudo isto mais pausadamente ao longo das diversas estações da Via-Sacra. Peçamos para que o nosso «sim» de hoje a Cristo seja também, como o d’Ela, um «sim» incondicional à sua amizade, no fim desta Jornada Mundial e durante toda a nossa vida. Muito obrigado!

www.vaticano.va




Bento XVI exorta os seminaristas a não terem medo de ambiente que exclui Deus

“Não vos deixeis amedrontar por um ambiente onde se pretende exclui Deus e no qual os principais critérios por que se rege a existência são, frequentemente, o poder, o ter e o prazer”.  Com estas palavras o papa Bento XVI exortou os mais de 4 mil seminaristas que participaram da missa que presidiu na manhã de hoje, na Catedral Nossa Senhora La Real de La Almudena, em Madri.

O papa alertou os seminaristas sobre o risco de serem desprezados “como se costuma fazer com quem aponta metas mais altas ou desmascara os ídolos diante dos quais muitos se prostram hoje”.

Bento XVI disse, ainda, que os seminaristas devem pedir a Cristo que lhes ensine a aproximar-se dos enfermos e dos pobres, “com simplicidade e generosidade”. “Afrontai este desafio sem complexos nem mediocridade, mas antes como uma forma estupenda de realizar a vida humana na gratuidade e no serviço, sendo testemunhas de Deus feito homem, mensageiros da dignidade altíssima da pessoa humana”, incentivou o papa.

Segundo o Pontífice, a preparação dos seminaristas deve ser tempo de silêncio interior, oração permanente, estudo constante e de progressia inserção nas atividades e estruturas pastorais da Igreja. Ele exortou a todos a buscarem a santidade. “Devemos ser santos para não gerar uma contradição entre o sinal que somos e a realidade que queremos significar”.

Antes da missa, o papa este no Parque do Retiro e atendeu a confissão de alguns jovens. No parque estão montados 200 confessionários para a “Festa do Perdão”, realizada durante todos os dias da JMJ.

Bento XVI está em Madri desde terça-feira, 16, para presidir os principais atos da 26ª Jornada Mundial da Juventude. Ainda hoje, às 20:30h, ele preside a Vigília de Adoração com os jovens no aeródromo de Cuatro Vientos.

Antes da Vigília, às 19:40h (14:40h horário de Brasília), Bento XVI tem breve encontro com os jovens enfermos e com deficiência.

Amanhã, às 9h (4h horário de Brasília), o papa preside a missa de encerramento da Jornada. À tarde, às 17:30h (horário local), ele se contra com os voluntários da Jornada na Feira de Madri (IFEMA) e, às 18:30h se despede das autoridades espanholas no aeroporto Bajaras de Madri, retornando a Roma.

Fonte: CNBB - sábado, 20 de agosto de 2011




Papa pede que jovens fiquem junto dos pobres


Grupo de peregrinos em oração enquanto aguardam o início da Via Sacra

Ao final da via-sacra que presidiu nesta sexta-feira, às 19:30h (14:30 horário de Brasília), na praça Cibeles, em Madri, o papa Bento XVI pediu aos jovens que sejam animados pelo amor de Cristo a “permanecer junto aos menos favorecidos”.Vós, que sois tão sensíveis à idéia de partilhar a vida co os outros, não passeis ao lardo quando virdes o sofrimento humano, pois é aí que Deus vos espera para dardes o melhor de vós mesmos: a vossa capacidade de amar e de vos compadecerdes”, disse o papa.

Bento XVI disse que Deus não está alheio ao sofrimento humano. “A  paixão de Cristo incita-nos a carregar sobre nossos ombros o sofrimento do mundo, com a certeza de que Deus não é alguém distante ou alheio ao homem e às suas vicissitudes”.

O papa recordou, ainda, os elementos fundamentais de humanidade que devem marcar a vida das pessoas. “Sofrer com o outro, pelos outros; sofrer por amor da verdade e da justiça; sofrer por causa do amor e para se tornar uma pessoa que ama verdadeiramente: estes são os elementos fundamentais de humanidade, o seu abandono destruiria o mesmo homem”, disse, citando sua encíclica Spe Salvi.

O trajeto da via-sacra ficou tomado pela multidão de jovens que participam da 26ª Jornada Mundial da Juventude na capital espanhola desde terça-feira, 16. Nas estações foram colocadas imagens do acervo artístico espanhol, as mesmas usadas na Semana Santa.

Durante a via-sacra, a cruz foi levada por jovens que têm algum tipo deficiência. Eles vieram da Terra Santa, Iraque, Albânia, Ruanda e Burundi, Sudão, Japão, Haiti, dentre outros.

Fonte: CNBB - sábado, 20 de agosto de 2011




VOLTAR

 

"No essencial, a fidelidade; no resto, a liberdade; em tudo, o amor". (Santo Agostinho)