Ano de São Paulo, oportunidade ecumênica; segundo porta-voz vaticano
Análise do Pe. Federico Lombardi, S.J.

O porta-voz vaticano considera que o Ano de São Paulo constitui uma oportunidade para avançar na unidade plena entre os cristãos. É a conclusão à qual chegou o Pe. Deferico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Informação da Santa Sé, no último editorial de «Octava Dies», semanário do Centro Televisivo Vaticano, do qual também é diretor.

«A solene abertura do Ano Paulino na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, a celebração da solenidade dos Santos Pedro e Paulo na Basílica de São Pedro (em 29 de junho), com a participação de representantes das igrejas e comunidades cristãs, em particular do patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I, foram um novo e intenso momento de encontro ecumênico», afirma.

«E efetivamente onde melhor se pode tomar a temperatura no ecumenismo entre os cristãos é no anúncio do Evangelho e na celebração litúrgica, pois ali se entra em contato com a origem comum e só daí pode voltar a começar o caminho da unidade. O patriarca ecumênico também proclamou o ano 2008 “Ano do apóstolo Paulo”, informa o porta-voz.

Segundo o Pe. Lombardi, «São Paulo, autor dos escritos mais antigos e amplos do Novo Testamento, apaixonado e conquistado por Cristo, missionário de horizontes universais, nos ensinou a ver concretamente a Igreja como o corpo de Cristo».

Expressa isso com uma pergunta do próprio apóstolo: «Como pudeste dilacerar meu Corpo?».
«É a pergunta que o Papa voltou a se propor e nos propôs nos dias passados ao meditar na divisão entre os cristãos», assegura.

«Na grande celebração eucarística, o Papa e o patriarca estiveram juntos, perante o altar, para celebrar a liturgia da Palavra, a homilia e a profissão de fé, assim como por ocasião do abraço da paz e a benção final; mas não puderam estar juntos na celebração eucarística», constata o sacerdote.

«Por isso, continua sendo necessária a oração ardente --conclui--: “Volta a unir-nos, Senhor, superando todas as divisões. Só há um pão, por este motivo, apesar de que somos muitos, somos um só corpo”. Quando chegará a comunhão plena? Depende também de nossa oração, de nossa caridade e de nossa fé».

Fonte: CIDADE DO VATICANO. 6 de julho de 2008. ZP 080706.. www.zenit.org         

VOLTAR


 

"Eu vim lançar fogo à terra..." (Lc 12,49)