Julho de 2006 - Mesmo no cativeiro, não deixou de cantar!

Em uma manhã de segunda-feira, eu estava me arrumando para ir trabalhar, de repente percebi que um pássaro cantava. Era um canarinho cantando. O cantar do canário me chamou a atenção de tão lindo que era. Naquele momento elevei meu pensamento ao Senhor e pedi a Ele que eu pudesse louvá-lo da mesma maneira que o passarinho cantava. Nesse instante pude percebi uma voz dizendo “Ele está no cativeiro”. O canarinho estava em um apartamento próximo ao meu, dentro de uma gaiola.

A palavra cativeiro me deixou perturbada, achei muito forte. Então questionei cativeiro e tive uma resposta: “Ele está no cativeiro, mas não deixou de cantar”. Como em um filme, vi toda a situação daquele pássaro. Sem poder voar, comendo o que lhe colocavam, sem pássaros a sua volta... Ele não deixava de cantar louvando Aquele que o criou.

No final do dia, fui para o louvor na Igreja. Nesta noite, quem conduzia a oração era a Arlene. Quando ela começou a pregar, no poder e na alegria do Espírito Santo senti Senhor falando no meu coração “Veja, ela vive um momento que diante do mundo é de cativeiro (está com câncer), mas mesmo assim ela não se cala. Não permita que nenhuma circunstância seja motivo para deixar de me louvar”.

A.A
Julho / 2006



VOLTAR

 


 

 

 

"Se tu fores aquilo que deves ser, lançarás fogo ao mundo". (Santa Catarina de Sena)