24/7/2003 - O Deus do impossível!

Minha mãe era portadora de um tumor cerebral inoperável e insensível à radioterapia ou quimioterapia. É bem difícil explicar o impacto que esse tipo de notícia causa numa família, cuja mãe é agregadora e organizadora de tudo. Mas algo aconteceu naquele ano, além do sofrimento e do medo. No meio da dor, encontramos Jesus e descobrimos que Ele está vivo.

Deus veio com sua misericórdia em nosso socorro, e buscar uma intimidade maior com Ele tornou-se a nossa prioridade, independente de nossa mãe ser curada ou não. Fomos mudando o nosso modo de pedir a cura. Continuamos, sim, a pedir-Lhe que a curasse, mas quanto mais se aprofundava a nossa oração, a nossa comunhão vital com Ele, fomos entregando a nossa mãe, confiantes na Sua providência: “Pai, em nome de Jesus, peço que cures esse tumor de minha mãe, mas que seja feita a Tua vontade e não a minha, pois ela antes de ser minha mãe é Tua filha”.

Minha mãe foi operada, e os médicos afirmaram que haviam retirado 90 por cento do tumor. Louvado seja Deus pela cirurgia e pelos milagres que sabíamos, Ele havia operado nos nossos corações. Aliás, passei a ter certeza, os milagres primeiro acontecem nos corações.

Passada a cirurgia, travava-se uma verdadeira batalha, pois cada dia de exame era dia de desconfiança absoluta no poder de Deus. Eu passei a observar que isso acontecia muito mais forte quando eu estava afastada de Deus.

Tudo acontecia errado, até no resultado dos exames, alguns até afirmando que o tumor tinha voltado. E, cada vez mais, a dúvida do poder de Deus me atormentava.

No final do ano passado, minha mãe foi submetida a um novo tipo de ressonância magnética, cujo resultado era dado em 15 dias. Independente de toda minha desconfiança, de ter virado as costas para o meu Deus, por causa do medo que minha mãe voltasse a adoecer e viesse a morrer, pedi a Deus dois milagres: a confiança na cura da minha mãe e a cura do medo.

Nesse meio tempo, meu pai apareceu com um aneurisma no coração. Ao invés de isso minar a esperança e a confiança que começavam a ressurgir no meu coração, esse fato só me deu mais forças para lutar. E pela graça de Deus, entendi que não podia passar por toda aquela situação de medo novamente. Então, lancei-me aos pés de Jesus e orei pela minha cura.

Hoje venho testemunhar a vocês mais essa vitória de Deus na minha vida. Quando me mostrei fraca, Deus foi forte em mim. E, além da cura do medo, o resultado do exame da minha mãe: o tumor, ou melhor, o resto dele, estava calcificado. O que os médicos não conseguiram tirar, Deus fez virar pedra! Louvado seja o Deus do impossível!...

Andréa Garcia
Serva da Comunidade Bom Pastor

VOLTAR

 


 

 

 

"No essencial, a fidelidade; no resto, a liberdade; em tudo, o amor". (Santo Agostinho)