Encontro com Jesus ressuscitado marca fé robusta, recorda Papa
Em sua catequese prévia à oração do Regina Caeli

Por Marta Lago

Não são idéias humanas, mas um encontro real com Cristo Ressuscitado – em sua Palavra e na Eucaristia – é o que fortalece a fé e edifica a Igreja dia a dia, constata Bento XVI.

Junto a milhares de peregrinos na Praça de São Pedro, o Papa fez reviver, com toda a sua atualidade, o episódio do evangelho dominical, o do caminho de Emaús, que os discípulos percorriam desanimados pela morte de Jesus.
«Jesus Ressuscitado se aproximou deles, mas não o reconheceram»; «explicou-lhes as Escrituras»; «entrou com eles em casa, sentou-se à mesa, abençoou o pão e o partiu, e nesse momento o reconheceram, mas Ele desapareceu de sua vista, deixando-os maravilhados diante desse pão partido, novo sinal da sua presença», detalhou o Papa.
Todo cristão, e mais ainda, todo homem – indicou – têm seu caminho particular de Emaús; «Jesus Ressuscitado se torna companheiro de viagem para acender em nossos corações o calor da fé e da esperança e partir o pão da vida eterna».
E tal caminho evidencia «a situação de muitos cristãos do nosso tempo», quando «a própria fé entra em crise, por causa de experiências negativas que nos fazem sentir-nos abandonados pelo Senhor», constatou.
Mas pode se converter «em caminho de purificação e amadurecimento da nossa fé em Deus», alentou o Papa.
E é que «também hoje podemos entrar em diálogo com Jesus, escutando sua Palavra; também hoje Ele parte o pão para nós e se entrega como nosso pão», explicou, de forma que «o encontro com Cristo Ressuscitado» «é possível também hoje».
Tal encontro «nos dá uma fé mais profunda e autêntica, forjada, por assim dizer, através do fogo do acontecimento pascal; uma fé robusta porque se nutre não de idéias humanas – especificou –, mas da Palavra de Deus e da sua presença real na Eucaristia».
E tem um lugar privilegiado que o episódio de Emaús também evidencia, um relato que «já contém a estrutura da Santa Missa», indicou Bento XVI: primeiro, a escuta da Palavra; depois, a liturgia eucarística.
Com esse alimento duplo – confirmou – «a Igreja se edifica incessantemente e se renova cada dia na fé, na esperança e na caridade».
Por isso, assim como aconteceu com os discípulos de Emaús, Bento XVI convidou cada cristão e cada comunidade a redescobrir «a graça do encontro transformador com o Senhor Ressuscitado».

Fonte: Zenit. Cidade do Vaticano. 06/04/2008. ZP 080406. www.zenit.org

Bento XVI: Pão e Palavra nutrem a fé, não idéias humanas
Intervenção por ocasião do Regina Caeli

Queridos irmãos e irmãs:
O Evangelho desde domingo – 3º da Páscoa – apresenta o célebre relato dos discípulos de Emaús (Lc 24, 13-35). Nele se conta de dois seguidores de Cristo que, no dia após o sábado, isto é, no terceiro depois de sua morte, tristes e abatidos, deixaram Jerusalém em direção a uma aldeia a pouca distância, chamada precisamente de Emaús. No caminho, Jesus Ressuscitado se aproximou deles, mas não o reconheceram. Vendo-os desanimados, explicou-lhes, segundo as Escrituras, que o Messias deveria padecer e morrer para alcançar sua glória. Depois entrou com eles em casa, sentou-se à mesa, abençoou o pão e o partiu, e nesse momento o reconheceram, mas Ele desapareceu de sua vista, deixando-os maravilhados diante desse pão partido, novo sinal da sua presença. E imediatamente os dois voltaram a Jerusalém e contaram aos outros discípulos o que aconteceu.
A localidade de Emaús não foi identificada com certeza. Há várias hipóteses, algo não isento de uma sugestão, porque nos permite pensar que Emaús representa na verdade todo lugar: o caminho de Emaús é o caminho de todo cristão; mais ainda, é o caminho de cada homem. Em nossos caminhos, Jesus Ressuscitado se torna companheiro de viagem para acender em nossos corações o calor da fé e da esperança e partir o pão da vida eterna. Na conversa dos discípulos com o viajante desconhecido, impacta a expressão que o evangelista Lucas coloca na boca de um deles; «Nós esperávamos...» (24, 21). Este verbo no passado diz tudo: nós tínhamos acreditado, tínhamos seguido, tínhamos esperado... mas tudo já está terminado. Também Jesus de Nazaré, que havia se mostrado como profeta poderoso em obras e em palavras, fracassou, e ficamos desiludidos. Este drama dos discípulos de Emaús aparece como um reflexo da situação de muitos cristãos do nosso tempo. Parece que a esperança da fé fracassou. A própria fé entra em crise, por causa de experiências negativas que nos fazem sentir-nos abandonados pelo Senhor. Mas este caminho de Emaús em que estamos pode se converter então em caminho de purificação e amadurecimento da nossa fé em Deus; também hoje podemos entrar em diálogo com Jesus, escutando sua Palavra; também hoje Ele parte o pão para nós e se entrega como nosso pão. E assim, o encontro com Cristo Ressuscitado, que é possível também hoje, nos dá uma fé mais profunda e autêntica, forjada, por assim dizer, através do fogo do acontecimento pascal; uma fé robusta porque se nutre não de idéias humanas, mas da Palavra de Deus e da sua presença real na Eucaristia.
Este maravilhosos texto evangélico já contém a estrutura da Santa Missa: na primeira parte, a escuta da Palavra através das Sagradas Escrituras; na segunda, a liturgia eucarística e a comunhão com Cristo presente no Sacramento do seu Corpo e do seu Sangue. Alimentando-se dessa mesa dupla, a Igreja se edifica incessantemente e se renova cada dia na fé, na esperança e na caridade. Por intercessão de Maria Santíssima, oremos para que cada cristão e cada comunidade, revivendo a experiência dos discípulos de Emaús, redescubra a graça do encontro transformador com o Senhor Ressuscitado.
[Tradução: Aline Banchieri. Revisão: José Caetano.
© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana]

Fonte: Zenit. Cidade do Vaticano. 06/04/2008. ZP 080406. www.zenit.org

VOLTAR


 

"A fé é o fundamento da esperança". (Heb 11,1)