Bento XVI: força da paz está na oração
Regina Caeli na Praça Bento XVI, em Cassino

* * *

Queridos irmãos e irmãs:

Cada vez que celebramos a Santa Missa, sentimos em nosso coração o eco das palavras que Jesus confiou aos seus discípulos na Última Ceia como um dom precioso: “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” (Jo 14, 27). Que necessidade a comunidade cristã e a humanidade inteira têm de saborear toda a riqueza e o poder da paz de Cristo! São Bento foi um grande testemunho dela, porque a acolheu em sua vida e a fez frutificar em obras de autêntica renovação cultural e espiritual. Precisamente por isso, na entrada da Abadia de Monte Cassino e de todos os mosteiros beneditinos, está escrita, como oema, a palavra PAX: mais ainda, a comunidade monástica está chamada a viver segundo esta paz, que é dom pascal por excelência. Como sabeis, em minha recente viagem à Terra Santa, fiz-me peregrino da paz, e hoje – nesta terra marcada pelo carisma beneditino – foi-me dada a oportunidade de sublinhar mais uma vez que a paz é em primeiro lugar um dom de Deus e, portanto, sua força está na oração.

No entanto, ela foi confiada ao esforço humano. Da mesma forma, a energia necessária para alcançá-la pode ser extraída da oração. É, portanto, fundamental cultivar uma autêntica vida de oração para garantir o progresso social na paz. Mais uma vez, a história do monaquismo nos ensina que um grande avanço de civilização se prepara com a escuta cotidiana da Palavra de Deus, que impulsiona os crentes a um esforço pessoal e comunitário de luta contra toda forma de egoísmo e de injustiça. Só aprendendo, com a graça de Cristo, a combater e vencer o mal dentro de si mesmo e nas relações com os demais, as pessoas se convertem em autênticas construtoras de paz e de progresso civil. Que a Virgem Maria, Rainha da Paz, ajude todos os cristãos, nas diversas vocações e situações da vida, a serem testemunhas da paz, que Cristo nos deu e nos deixou como tarefa a realizar em todas as partes.

Hoje, 24 de maio, memória litúrgica da Bem-Aventurada Virgem Maria, Auxílio dos cristãos – que é venerada com grande devoção no santuário de Sheshan, em Xangai –, celebra-se o Dia de Oração pela Igreja na China. Meu pensamento se dirige a todo o povo chinês. Em particular, saúdo com grande afeto os católicos da China e os exorto a renovar neste dia sua comunhão de fé em Cristo e de fidelidade ao sucessor de Pedro. Que nossa oração comum obtenha uma efusão dos dons do Espírito Santo, para que a unidade entre todos os cristãos, a catolicidade e a universalidade da Igreja sejam cada vez mais profundas e visíveis.

[Tradução: Aline Banchieri.
© Copyright 2009 - Libreria Editrice Vaticana]

Fonte: Zenit.CASSINO. 24 de maio de 2009. ZP090524. www.zenit.org

VOLTAR

 

"Fazei todas as coisas sem murmurações nem críticas..." Filipenses 2,14